Trabalhadores da Elite paralisam as atividades na Revap

Trabalhadores da Elite paralisam as atividades na Revap

Os trabalhadores da Elite que prestam serviços de asseio e conservação na Revap aprovaram em assembleia nesta sexta (5) a paralisação das atividades por tempo indeterminado.

A greve foi deflagrada pela postura da empresa que assumiu esse ano o contrato, que antes era da Vital, mas adotou uma política de corte de direitos e benefícios como a redução do valor do vale alimentação de R$ 400 para R$ 115.

Além disso está pagando uma mixaria de salário e cortou a insalubridade dos trabalhadores. Até o café da manhã ela cortou obrigando o povo a trazer de casa e comer na área de convivência. Nem refeitório o pessoal pode usar.

“Não vamos permitir que essa situação absurda continue. Nosso acordo garante café da manhã aos trabalhadores, mas a Elite cortou isso de vocês, que agora são obrigados a trazer de casa. E no caso do café nem isso, pois não podem entrar com a garrafa térmica”, disse o presidente Marcelo Rodolfo.

Os trabalhadores também reivindicam a contratação de mais mão-de-obra, principalmente para os serviços de limpeza, ainda mais essenciais na pandemia da Covid-19. O setor que já teve mais de 80 trabalhadores, hoje conta com menos de 20.

Dissídio coletivo – Segundo o presidente Marcelo, se a empresa insistir na postura de não sentar para negociar com o Sindicato e os trabalhadores, o caminho será entrar com dissídio coletivo no TRT da 15ª Região em Campinas.

“Se a empresa manter essa postura de não sentar para negociar com a gente, vamos permanecer parados até chegar dissídio. Nós já comunicamos a empresa que vocês querem o mesmo acordo que tinham na Vital. Vocês estão trabalhando no mesmo local, fazendo o mesmo serviço, só trocou a camisa”, disse o presidente.


sintrico